Páginas

segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Mais persistente que a cautela de se superar Beethoven

Foi um mito persistente no século 19 o de que os compositores se acabrunharam de compor sinfonias porque Beethoven parecia ter dito tudo e chegado aos extremos da forma com a sua Nona. Somente Mahler viria a expandir e dar feições autobiográficas e dramáticas à sinfonia e dar um passo mais além, ao contrário dos "comedidos" Brahms e Bruckner, que nem sequer escreveram uma sinfonia coral.

Porém, aqui no Brasil, ninguém conseguiu compor obra coral-sinfônica (nosso caso não é o de uma forma de composição específica, mas de uma formação) mais impactante e que pudesse acrescentar ao que Villa-Lobos estabeleceu em seu Choros n° 10. Podem reparar.

sábado, 28 de setembro de 2013

E esse estilo musical meio "Carmen Miranda"?

Complementando o post anterior, aquele trecho de Magdalena (que merece menção por ser o único musical que um compositor compusera para a Broadway, daí ele ter classificado a peça como comédia musical e não ópera-cômica) que destaca a entrada de Teresa pode remeter a algo que lembre a Política de boa vizinhança de Franklin Roosevelt. Saiba agora por que você está certo, caso tenha essa impressão.

Food for thought

Agora, na virada da noite da sexta pro sábado, passou a exibição completa da ópera Magdalena, de Villa-Lobos, no Sesc TV - a rigor, uma ópera-cômica que o compositor chamou de "comédia musical" em dois atos. Os protagonistas da história - que se passa em Paris e no rio Magdalena, o principal da Colômbia - são o casal Maria e Pedro; o antagonista, o General Carabaña; mas, involuntariamente, Villa-Lobos fez com que uma coadjuvante, Teresa, se sobressaísse. Essa cena abaixo, Food for Thought, é a primeira das três aparições da personagem, e mostra o porquê de ela roubar a cena (afora o fato de a solista escolhida para essa versão apresentada em São Paulo, Luciana Bueno, seguir magistralmente o physique du rôle da cantora que participou da primeira gravação mundial da obra, em 1988, Judy Kaye, e possuir um registro estável, amplo e com graves bastante seguros, conforme requer a partitura).

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Programação do II Virtuosi Século XXI

Rafael Garcia, diretor artístico
26 A 28 DE NOVEMBRO DE 2013

PALESTRAS, OFICINAS & CONCERTOS
TEATRO EVA HERZ - SHOPPING RIOMAR
DIA 26|11
09:00 - 10:20 Oficina de Composição: Stefano Gervasoni (Itália/França)
10:30 - 11:50 Oficina de Composição: Caspar Johannes Walter (Alemanha)
13:00 –14:15 Palestra: Marcos Lucas (Rio)
14:30 –15:45 Palestra: Silvio Ferraz (SP)

Dia 27|11
09:00 - 10:20 Oficina de Composição: Stefano Gervasoni (Itália/França)
10:30 - 11:50 Oficina de Composição: Caspar Johannes Walter (Alemanha)
13:00 –14:15 Palestra: Paulo Costa Lima (BA)
14:30 –15:45 Palestra: Marcilio Onofre (PB)

Dia 28|11
09:00 - 10:20 Oficina de Composição: Stefano Gervasoni (Itália/França)
10:30 - 11:50 Oficina de Composição: Caspar Johannes Walter (Alemanha)
13:00 –14:15 Palestra: Eli-Eri Moura
14:30 –15:45 Palestra: 10 anos de COMPOMUS

Inscrições: www.virtuosi.com.br a partir de 1º |10


***

CONCERTOS – TEATRO EVA HERZ

Dia 26|11 20h
DUO SUIÇO
WIKTOR KOCIUBAN, cello &
DEMETRE GAMSACHURDIA, piano

Dia 27|11 20h
CLÉMENT HIMBERT, saxofone

Dia 28|11 20h

ORQUESTRA JOVEM DE PERNAMBUCO
Regente: Rafael Garcia

Informações: 3363 0138
TEATRO EVA HERZ – LIVRARIA CULTURA
Shopping RioMar

A partir desta quinta


sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Sarau roliudiano

O caro Homero Fonseca, escritor e meu ex-chefe na Continente, mandou-me o vídeo abaixo, de um choro escrito por Inaldo Moreira com base no Sarau Plural (que é capitaneado por Homero e Marco Polo nas últimas terças de cada mês na Arte Plural Galeria) e em |Roliúde, romance de Homero que depois transformou-se em peça de teatro).

Os intérpretes são Jailson Raulino ao clarinete e Fernando Müller ao piano.

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Texto não publicado no Mimo

No meio da correria, houve um texto meu que não saiu no site Mimo e do qual nem eu me lembrava mais. Fica aqui no blog para constar.

***

Verdi, Wagner, Stravinski e Marlos Nobre para o grand finale

Por Carlos Eduardo Amaral

O concerto de encerramento do MIMO 2013, esta noite, no palco da Praça do Carmo, em Olinda, traz uma homenagem aos dois maiores expoentes da ópera no século 19, Richard Wagner e Giuseppe Verdi. Lembrados este ano pelo seu bicentenário de nascimento, o músico alemão e o italiano dividem o programa com Igor Stravinski, por razão dos cem anos de estreia de A sagração da primavera, e com o pernambucano Marlos Nobre.

Com a participação do soprano Edna D'Oliveira e regência de Isaac Karabtchevsky, a Orquestra Sinfônica de Barra Mansa se apresenta a partir das 18h e abrirá o concerto com uma peça do atual regente titular interino da Sinfônica do Recife. Movimentos sinfônicos, cujo subtítulo Em memória de um anjo espelha-se no do Concerto para violino de Alban Berg, foi escrita em 2011 por encomenda da Orquestra Petrobras Sinfônica e estreada por ela no Theatro Municipal do Rio de Janeiro em 27 de março daquele ano, sob regência do mesmo Karabtchevsky.

A intenção da obra foi prestar tributo à memória de uma das filhas do maestro e de sua mulher Maria Helena. Conforme comentou o compositor, especialmente para o portal Movimento MIMO, “o subtítulo, igual ao do Concerto para violino de Alban Berg, me veio ao espírito de maneira espontânea e tão imediata que não hesitei em colocá-lo na partitura. Naturalmente, eu bem sabia que Berg havia composto seu Concerto coincidentemente em memória de Manon, filha do grande amigo dele Walter Gropius e morta aos 18 anos. Isso não foi empecilho para minha dedicatória à querida filha do meus amigos Isaac e Helena”.

Marlos revelou que havia escrito um pequeno coral (uma passagem em forma de coral, não uma peça para coro) antes de receber a encomenda da peça, e que o tema desse coral vinha-lhe insistentemente à cabeça passando a inspirar-lhe toda a concepção dos Movimentos sinfônicos. Convidado a fazer uma resenha da própria peça, o compositor assim a resumiu ao portal Movimento MIMO:

A primeira seção se inicia em uma atmosfera explosiva e trágica, apresentada por toda a orquestra. O clima, portanto, é de muita emoção e dramaticidade. Gostaria de salientar que eu não provoquei intencionalmente esse clima inicial, essa atmosfera angustiante e dramática apenas se apossou de minha mente imediatamente ao começar a escrever a partitura. Logo aparece uma ideia melódica mais lírica nas cordas, que vai levando pouco a pouco a um dos três primeiros grandes clímax de toda a orquestra.

A segunda parte é enlaçada sem interrupção e a serenidade é alcançada com o tema principal do coral, exposto pelas madeiras e instrumentos graves e sustentado pelas cordas em pianíssimo. Há então uma espécie de jogo tímbrico entre o tema apresentado nos instrumentos graves e as madeiras, tecendo um fervilhar de notas em um cânone de 25 vozes. Segue, também sem interrupção, após longas interjeições da orquestra em diferentes grupos, uma terceira seção onde acontecem transformações rítmicas e melódicas.

Ligeiras melodias são sobrepostas à reexposição do coral, recriando paulatinamente a atmosfera de intensa angústia e dramaticidade. O coral principal finalmente alcança os metais em uma última exposição de grande intensidade. Um último golpe da orquestra em fortíssimo marca o início da coda final, onde pouco a pouco as dissonâncias derivadas de uma escritura contrapontística cerrada levam finalmente à intensa claridade do acorde perfeito maior final.

terça-feira, 17 de setembro de 2013

Um lar para Salomé


Repasso comunicado da Assessoria de Imprensa da Orquestra Meninos do Coque.

Na manhã do dia 16 de setembro, essa doce gatinha, com cerca de 3 meses, foi encontrada nas dependências do projeto Orquestra Criança Cidadã Meninos do Coque, despertando a compaixão de professores e funcionários da escola. Estava muito abatida e ferida, principalmente no rabo. Foi levada ao veterinário e, infelizmente, teve que ter parte do membro amputado, pois já estava bastante infeccionado, em fase de necrose. Hoje, Salomé, como ficou sendo chamada - em homenagem à ópera de mesmo nome do compositor Strauss -, se recupera da operação e está sendo cuidada provisoriamente por funcionários do projeto social, mas precisa encontrar um lar para morar, pois ninguém tem disponibilidade de levá-la para casa. Muito dócil e meiga, adora receber carinho e ficar no colo. Procura-se alguém amável tanto quanto ela e que goste de animais para cuidar desse ser especial. Ressalto que ela já foi castrada e que os gastos com essa cirurgia e a do rabinho já foram quitadas. Quem ficar com ela, já vai recebê-la também vermifugada e vacinada. Basta ter apenas amor, disponibilidade e dedicação para recebê-la de braços abertos. Contatos para adoção: 9684.7703 (Milton) e 8863-9522 (Mariane).

Concerto sinfônico para Asa Branca

Segundo vídeo do concerto da Sinfônica Jovem do CPM no Mimo 2013, dia 07 passado. Solista: Julinho (Júlio César).

No texto que fiz para o Movimento Mimo, comentei sobre essa interpretação o seguinte:

No Concerto sinfônico para Asa Branca, de Sivuca, cujo solista foi o também professor do CPM, Julinho (Júlio César), o destaque – além de sua sanfona confeccionada toda em madeira, incluindo as teclas cromáticas – foi para a cadência. Com a liberdade dada pelo compositor na partitura (não há uma indicação ou sugestão sequer para o solista [apenas uma prosaica pausa de semibreve com fermata]), recorreu a harmonias mais arrojadas que as do próprio Sivuca em suas atuações quando vivo, incluindo acordes de sétima maior ou com quarta – algo que em nada desagradaria o músico paraibano, que tocara jazz por boa parte de sua carreira.

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Recital Aleluias


O Coro Universitário da UFPE e a Camerata da UFPE estarão apresentando o recital Aleluias, com alguns aleluias famosos do repertório coral, na Igreja da Madre de Deus (junto ao Paço Alfândega), nestes dias 17 (terça) e 18 (quarta) às 20h.

Prêmio Funarte de Produção Crítica em Música 2013

sábado, 14 de setembro de 2013

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

De Mozart & Beethoven aos The Beatles - OSUFPB Jovem

“De Mozart & Beethoven aos The Beatles” – esse é o tema do concerto da Orquestra Sinfônica Jovem da UFPB, que ocorrerá nesta sexta-feira, 13 de setembro de 2013, às 20h, na Sala Radegundis Feitosa, e para o qual todos estão CONVIDADOS!
 
Teremos seis solistas e três regentes à frente da OSUFPB Jovem, num programa que inclui a primeira Sinfonia de Beethoven, o primeiro Concerto para Trompa de Mozart e várias canções dos Beatles, arranjadas especialmente para orquestra e solistas pelo Maestro Rogério Borges. Os solistas são Beatriz Drummond (voz), Junielson Nascimento (corne inglês), Leo Medina (violoncelo elétrico), Mayra Montenegro (voz), Robson Gomes (trompa), Tom Drummond (voz e violão). Os regentes são Geraldo Rocha Júnior (Titular), Rogério Borges e Edilson Bonner (Convidados).

Este será o décimo sexto concerto da temporada 2013 da OSUFPB, que tem como coordenadora a Profa. Luceni Caetano. O projeto é desenvolvido pelo LAMUSI – Laboratório de Música Aplicada do CCTA-UFPB, coordenado pelo Prof. Heleno Feitosa "Costinha", em parceria com os Departamentos de Música e de Educação Musical. Mais outros nove concertos da Orquestra Sinfônica da UFPB e seus segmentos estão programados até o final do ano, sempre às sextas-feiras, 20h, na Sala Radegundis Feitosa. 

Abraços,
Eli-Eri Moura

Sergio Ferraz comenta seu Concerto

Em bate papo privado via Facebook, Sérgio Ferraz detalhou melhor a estruturação de seu Concerto para violino e orquestra, em contraponto aos comentários que fiz na postagem anterior. Vale a pena o registro aqui:

"No meu Concerto Armorial, cada um dos temas dos movimentos é de estrutura modal. O primeiro é em lá mixolídio. Porém, antes da cadenza, há uma sequência modulante sobre acordes de 7a. e dim7. No segundo movimento, o tema A é sobre sol dórico e o tema B, sobre a escala árabe. No terceiro, sobre mi frígio, com uma rápida modulação para fá maior no desenvolvimento do solo do violino, pouco antes da cadenza."

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Concerto armorial para violino e cordas, de Sérgio Ferraz

Eis o primeiro vídeo das obras que foram interpretadas pela Sinfônica Jovem do Conservatório Pernambucano no último dia 07 de setembro, dentro da programação do Mimo 2013, na Igreja do Carmo de Olinda.

Conforme mencionei em matéria para o site do festival (aproveitando para inserir mais considerações agora):

O Concerto armorial para violino e orquestra [de cordas] de Sérgio Ferraz, que teve o próprio professor do CPM como solista, também mereceu menção do crítico inglês [Clive Davis]. Diferente da matriz mahleriana do Cangaço [de vida e morte, de Paulo Arruda], o concerto tem um perfil familiar aos ouvintes pernambucanos [três movimentos à la concerto italiano, e uso somente de cordas com virtual possibilidade de acréscimo de percussão], porém lança mão de uma estrutura minimalista com mais nitidez do que os armoriais dos anos 1970, especialmente no primeiro e terceiro movimentos (neste, o ostinato dos violoncelos e baixos [baseado no maracatu nação, só que em andamento mais lento do que o habitual] toma um papel fundamental), afora a presença constante dos pedais em ré e lá [os mais presentes no armorial, afora que as cordas ré e lá são comuns às todos os instrumentos da família], das passagens lentas em tom de aboio e das [passagens] dançantes com célula rítmica de baião.

terça-feira, 10 de setembro de 2013

Invenção a duas vozes de Bach, na guitarra e na flauta

Intérpretes: Samuel Lira (flauta) e Pablo Romeu (guitarra) - obrigado a Sarah Moura pela informação.

Gravado no teatrinho do Dep. de Música da UFPE.

Mimo agora é palavra masculina

Desde 2004 que nos acostumamos a falar a Mimo, já que se referia ao significado da sigla: "[a] Mostra Internacional de Música em Olinda". Porém, ano passado, o festival aboliu a explicação por extenso quando de sua expansão para Ouro Preto e deu à sigla Mimo um significado autônomo - permanecendo, todavia, o costume de se usá-la como palavra feminina.

Já este ano, com a renovação do Portal Mimo e a criação do Movimento Mimo, foi decidida a mudança do artigo definido para o masculino, que ainda não foi assimilada pelo grande público, mas que tem sido enfatizada pelas assessorias de imprensa e pelo marketing do festival. A mudança teve em mente, também, aproximar o nome do evento ao substantivo "mimo" (agrado, presente).

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Problemas no site do Mimo

O site do Mimo teve problemas internos ao longo de todo o dia de sábado, por isso os textos de cobertura dos concertos da sexta, e alguns do próprio sábado, não foram ao ar. Todos estarão sendo postados ainda hoje, segundo me contou Aline Feitosa, assessora de imprensa local do festival.

Meus textos que sairão hoje, portanto, são os do concerto de Fortuna com o Duo Milewski, na sexta; da Sinfônica Jovem do CPM, no sábado; e da Sinfônica de Barra Mansa, ontem. Aguardem.

Oficina de Cantos Polifônicos Tradicionais na UFPE


Com o regente e musicólogo Joseph Jordania, professor do Conservatório de Mebourne (Austrália). Data: sábado, 21 de setembro, das 10h às 18h (com intervalo) na Sala Concriz do Centro de Convenções da UFPE.

INSCRIÇÕES: (81) 9228-5180 (falar com a produtora Naara) ou santos.naara@gmail.com

Valor: R$ 30,00 Vagas limitadas! APOIO: Departamento de Música da UFPE

sábado, 7 de setembro de 2013

Programa dos concertos de hoje do Mimo, em primeira mão

ORQUESTRA SINFÔNICA JOVEM DO CONSERVATÓRIO PERNAMBUCANO DE MÚSICA REGÊNCIA: JOSÉ RENATO ACCIOLY (Brasil)

7/09 OLINDA | IGREJA DO CARMO 11H


1. Sinfonia n° 3 "Eroica" (Beethoven)
I. Allegro com brio
II. Marcia funebre: Adagio assai (Beethoven)
III. Scherzo: Allegro vivace (Beethoven)
IV. Finale: Allegro molto (Beethoven)
2. Cangaço de vida e morte (Paulo Arruda)
3. Concerto Armorial para violino e orquestra (Sergio Ferraz)
4. Concerto para Asa Branca (Sivuca)
5. Rapsódia pernambucana (Clóvis Pereira)

***

ORQUESTRA SINFÔNICA DE BARRA MANSA (Brasil)
REGÊNCIA: MAESTROS CONVIDADOS

7/09 RECIFE | TEATRO DE SANTA ISABEL 18H


1. Abertura, da ópera Don Giovanni (Mozart)
2. Sinfonia nº 8 em Fá Maior op. 82 (Beethoven)
I. Aleggro vivace e com brio
II. Aleggro scherzando
III. Tempo di menuetto
IV. Alegro vivace
3. Psalmus (João Guilherme Ripper)
4. Prelúdio e morte de amor, da ópera Tristão e Isolda (Wagner)

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

"Playlist" de Fortuna e Duo Milewski hoje, em primeira mão

1. Hungarish (J. Halvorsen )
2. Melodias ciganas (P. Sarasate )
3. Dance galicienne (P. Kirman)
4. Baigalach (Folclore)
5. Czardas – (Vittorio Monti)
6. Aleluia Psalitte (Antífona V Modo)
7. Bendigamos al Altíssimo (Liturgia sefaradi tradicional)
8. Há Mavdil (Liturgia judaica, rito sefaradi)
9. Buena semana (Tanger, Tetuán/Marrocos)
10. Avram Avinu (Canção paralitúrgica)
11. Dame tu fuerza (Poema de Yehuda ha-Levy – música de Fortuna)
12. Naquele tempo/Klezmer (Pixinguinha e Benedito Lacerda, arranjo com tema Klezmer tradicional)
13. Cirandas (Temas tradicionais brasileiros e judaicos)
14. Sherale (Folclore)
15. La prima vez (Balcãs)

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Gratificação salarial maior concedida à OSR

O maestro Marlos Nobre acaba de anunciar no Facebook que os músicos da Sinfônica do Recife passarão a receber um vencimento de R$ 3.200,00 a partir deste mês até a aprovação do plano de carreiras da orquestra - R$ 1.200,00 de salário base e R$ 2.000,00 de gratificação.